"Blogs de Portugal"

domingo, abril 28, 2013

Felicidade



Segundo Enrique Rojas (professor catedrático de psicologia médica)
"A vida rege-se pelo amor e pelo ódio. 
O perdão e o esquecimento vão de mão em mão e são um antídoto infalível para descarregar sofrimentos sofrimentos inúteis à existência.
A felicidade consiste em ter boa saúde e má memória. a capacidade para esquecer é um seguro para a saúde mental."

segunda-feira, abril 15, 2013

Velhas árvores



Árvores na Serra da Senhora do Minho

Olha estas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores moças, mais amigas,

Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...
O homem, a fera e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres da fome e de fadigas:
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.
Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,
Na glória de alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

Olavo Bilac

Árvores na Serra da Senhora do Minho

segunda-feira, abril 08, 2013

"A rapariga que roubava livros"


 Hoje terminei de ler este livro "A rapariga que roubava livros", 
que gostei imenso e aconselho a todos de o ler.

"Molching, um pequeno subúrbio de Munique, durante a segunda guerra mundial. Na rua Himmel as pessoas vivem um dia-a-dia penoso, sob o peso da suástica e dos bombardeamentos cada vez mais frequentes, mas não deixaram de sonhar. a Morte, narradora omnipresente e omnisciente, cansada de recolher almas, observa com compaixão e fascínio a estranha natureza dos humanos. Através do seu olhar intemporal, é-nos contada a história da pequena Liesel e dos seus pais adotivos, Hans o pintor acordeonista de olhos de prata e Rosa, a mulher com cara de cartão amarrotado, do pequeno Rudy, cujo herói era o atleta negro José Owen, e de Max, o pugilista judeu, que um dia veio esconder-se na cave da família Hubermann e que escreveu e ilustrou livros, para oferecer à rapariga que roubava livros, sobre as páginas de Mein Kampf recuperadas com tinta branca, ou ainda a história da mulher que convidou Liesel a frequentar a sua biblioteca, enquanto os nazis queimavam livros proibidos em grandes fogueiras. Um livro sobre uma época em que as palavras eram desmedidamente importantes no seu poder de destruír ou de salvar. Um livro luminoso e leve como um poema, que se lê com deslumbramento e emoção. 


Estreia o filme em Janeiro de 2014. Não quero perder!

Sabonete de leite de burra


Ora agora... preparem-se!!!
Chegou até mim... através da minha amiga Florisa o tratamento de beleza através do leite de burra. Portanto, se me virem muito bela! Já sabem... o segredo está no sabonete de leite de burra. 
Não me invejem... existem muitos à venda e os produtores querem vender. 
É produto nacional, ajudam a economia portuguesa, e ficam a ser descendentes da Cleópatra.
Obrigada amiga.



Tio Domingos

Aqui está o tio Domingos Borlido, com os meus filhotes no domingo de Páscoa em nossa casa.
O tio Domingos é aquele tio que qualquer pessoa gosta de ter. É amigo, simpático, alegre, animador, colaborador, brincalhão, querido. meigo... etc.
Guardo imensas recordações bonitas dele e da minha adolescência pois ele estava sempre presente e disposto, a transportar as adolescentes e jovens no seu "chibum" para as festas, para a praia, para os acampamentos etc... o seu carro e ele eram uma animação completa.
Obrigada tio Domingos por continuar ser assim e a dar-se sem medida.
Um beijo de todos nós.




Ramo para a madrinha

Tenho saudades de vir aqui, tenho saudades de todos vós. A minha ausência deve-se ao facto do meu carregador do computador ter avariado. Finalmente chegou e posso novamente andar por cá.
Vou mostrar-vos algumas coisitas que fiz e algumas novidades.

Este é o raminho que ofereci à minha madrinha no dia das madrinhas (domingo que antecede a Páscoa).
É uma tradição que eu gosto muito, porque aproxima os afilhados dos padrinhos e garante o folar na Páscoa!!! Hi, hi, hi... um pouco de gosma.... mas engraçada.

Recuperação de um móvel

Nesta interrupção letiva da Páscoa aproveitei para recuperar mais um móvel antigo que tinha em casa, já nos anexos. Pintei de branco e forrei as gavetas com tecido dourado e com fitas de seda. 
Está no meu quarto.
Foi um trabalho que me deu muito gosto a fazer e resolveu-me o problema de arrumar pequenos objetos no quarto.